HINO A P

Vibra do cio subtil da luz,
Meu homem e af
Vem turbulento da noite a flux
De P! I P!
I P! I P! Do mar de alm
Vem da Siclia e da Arcdia vem!
Vem como Baco, com fauno e fera
E ninfa e stiro tua beira,
Num asno lcteo, do mar sem fim,
A mim, a mim!
Vem com Apolo, nupcial na brisa
(Pegureira e pitonisa),
Vem com Artmis, leve e estranha,
E a coxa branca, Deus lindo, banha
Ao luar do bosque, em marmreo monte,
Manh malhada da mbrea fonte!
Mergulha o roxo da prece ardente
No dito rubro, no lao quente,
A alma que aterra em olhos de azul
O ver errar teu capricho exul
No bosque enredo, nos ns que espalma
A rvore viva que esprito e alma
E corpo e mente - do mar sem fim
(I P! I P!),
Diabo ou deus, vem a mim, a mim!
Meu homem e af!
Vem com trombeta estridente e fina
Pela colina!
Vem com tambor a rufar beira
Da primavera!
Com frautas e avenas vem sem conto!
No estou eu pronto?
Eu, que espero e me estoro e luto
Com ar sem ramos onde no nutro
Meu corpo, lasso do abrao em vo,
spide aguda, forte leo -
Vem, est fazia
Minha carne, fria
Do cio sozinho da demonia.
espada corta o que ata e di,
Tudo-Cria, Tudo-Destri!
D-me o sinal do Olho Aberto,
E da coxa spera o toque erecto,
P! I P!
I P! I P P! P P! P.,
Sou homem e af:
Faze o teu querer sem vontade v,
Deus grande! Meu P!
I P! I P! Despertei na dobra
Do aperto da cobra.
A guia rasga com garra e fauce;
Os deuses vo-se;
As feras vm. I P! A matado,
Vou no corno levado
Do Unicornado.
Sou P! I P! I P P! P!
Sou teu, teu homem e teu af,
Cabra das tuas, ouro, deus, clara
Carne em teu osso, flor na tua vara.
Com patas de ao os rochedos roo
De solstcio severo a equincio.
E raivo, e rasgo, e roussando fremo,
Sempiterno, mundo sem termo,
Homem, homnculo, mnade, af,
Na fora de P.
I P! I P P! P!

Nota do Editor: "Hino a Pan" um Poema de Aleister Crowley aqui reproduzido na traduo de Fernando Pessoa. Para ver o Poema em sua verso original, clique aqui.

Voltar